Transtorno de Ansiedade: o que é?

 

No Brasil são mais de 13 milhões de pessoas que sofrem de transtorno de ansiedade.

 

Mas, você já parou para pensar no que é transtorno de ansiedade e o que ele causa?

 

Podemos dizer que a ansiedade é uma preocupação excessiva com o futuro. Dito desta forma fica evidente que a ansiedade é uma característica normal em todas as pessoas.

 

No entanto junto com o excesso vem o perigo de que esta característica se transforme em patologia

 

A diferença de alguém com transtorno de ansiedade para quem tem ansiedade em níveis normais é que a pessoa classificada no transtorno não tem apenas momentos de pico.

 

A ansiedade é persistente e/ou com pensamentos sistemáticos. É válido ressaltar que os níveis de ansiedade podem ser tão altos que se chega a ter sintomas físicos, como suor, falta de respiração e taquicardia.

Transtorno de Ansiedade o que é

Quais os principais Transtornos de Ansiedade

Transtorno do pânico

 

Ele é caracterizado por um período de intenso medo ou desconforto, com início súbito que aumenta rapidamente atingindo um pico.

 

Além disso, está sempre acompanhado por sentimento de perigo ou catástrofe iminente e anseio por escapar.

As reações físicas que o acompanham são formigamento, tonturas, náuseas, falta de ar e taquicardia.

Transtorno misto de ansiedade e depressão

 

Ele é caracterizado quando tanto a ansiedade quanto a depressão estão presentes com uma intensidade similar.

Geralmente, a depressão ansiosa é leve e não persistente, o que dificulta o diagnóstico.

 

Por isso, milhares de pessoas possuem o transtorno, mas não se tratam.

Transtorno de ansiedade generalizada (TAG)

 

Ele traz um descontrole com as preocupações. Esse é o transtorno mais comum dentro dos transtornos de ansiedade.

 

É um transtorno crônico, com vários sintomas somáticos, em que, geralmente, o indivíduo se sente inapto para lidar com o perigo ou com situações diferentes em seu dia a dia.

 

Muitas vezes, um indivíduo TAG se vê apenas como alguém prudente ou cauteloso e, por isso, não procura tratamento.

Transtorno de ansiedade pós-traumático (TEPT)

 

Este transtorno aparece após algum evento específico, traumático e/ou aterrorizante, como um sequestro, agressão física, morte inesperada de ente querido ou desastres naturais, por exemplo.

 

Os pensamentos de uma pessoa nessa categoria são duradouros, com lembranças do evento que a aterrorizam.

Por isso, muitas vezes, como defesa, ficam emocionalmente anestesiados e apáticos, como se estivessem “fora do ar”.

Transtorno de Ansiedade

Transtorno obsessivo-compulsivo (TOC)

 

Ele se caracteriza pela presença de obsessões, que são pensamentos constantes e perturbadores e pela presença de compulsões, que são os rituais desenvolvidos para neutralizar as obsessões.

 

Os pensamentos constantes causam medo e os rituais servem para que esse medo desapareça.

 

Porém, como desaparece apenas por breve período, isso se torna um ciclo vicioso e um ritual sistemático, com variação de intensidade.

Transtorno de ansiedade social

 

Ele também é conhecido como fobia social.

Envolve uma intensa preocupação sobre as situações sociais diárias, geralmente um medo do julgamento dos outros ou de passar ridículo e por constrangimentos.

 

As situações sociais tendem a ser interpretadas como ameaçadoras!

 

Já que o indivíduo tem uma tendência a achar que os outros ficam à procura de suas fraquezas e acabam estabelecendo níveis de exigência muito elevados para si mesmos.

E o Ataque de Pânico?

Geralmente é descrito como uma sensação intensa e súbita de medo.

 

O ataque de pânico é uma manifestação extrema da ansiedade caracterizada por uma grande descarga de hormônios e uma série de sintomas por todo o corpo.

 

Na maioria dos casos, os ataques ocorrem durantes situações de estresse social mas eles também podem ocorrer durante o sono, em casa, no trabalho ou qualquer outro ambiente cotidiano.

 

O ataque de pânico descreve um evento único enquanto a síndrome do pânico inclui a ocorrência de ataques repetidos.

 

O medo constante de quando o próximo ataque acontecerá e a adoção de medidas para evitar os lugares onde os últimos ataques ocorreram.

O que é transtorno de ansiedade

Os principais sintomas de um ataque de pânico são:

 

  1. Falta de ar e sensação de sufocamento;
  2. Tontura, vertigem e sensação de desmaio;
  3. Suor excessivo, calafrios e vermelhidão do rosto;
  4. Aumento da frequência cardíaca e palpitações;
  5. Náuseas, enjoos, dor de estômago ou diarreia;
  6. Sensação de estranheza em relação ao mundo e ao ambiente;
  7. Dor no peito;
  8. Medo de morrer ou sensação de morte iminente.

 

Apesar do grande desconforto, todos esses sintomas costumam durar apenas alguns minutos e não colocam a vida ou a saúde da pessoa em risco.

 

É comum que, após sofrer o ataque de pânico, a pessoa não queira mais realizar a atividade que desencadeou aquele ataque ou o ambiente em que ele ocorreu, o que constitui o transtorno do pânico.

 

Assim, quem teve o ataque de pânico enquanto dirigia no trânsito, pode não querer mais dirigir e quem o teve no trabalho, pode desejar se afastar do emprego ou até mesmo trocar de carreira.

 

Dessa forma, os ataques de pânico prendem a pessoa a uma rotina restrita a situações de conforto, impedindo visitas a lugares desconhecidos, por exemplo.

 

Isso faz com que a pessoa não consiga fazer novos amigos, tenha dificuldade em manter os relacionamentos que já existem e tenha dificuldades em se desenvolver profissionalmente.

O que fazer quando estiver em pânico?

 

Na hora do ataque de Pânico, é importante tentar controlar a respiração e buscar distrair a mente com conversas e músicas.

 

Também ajuda muito praticar técnicas de relaxamento como meditação e massagens, além de se mover para um ambiente tranquilo, arejado e seguro.

 

O mais importante, no entanto, é tentar encontrar a origem desse sentimento, afastando do indivíduo o medo e a ansiedade dessas situações.

 

Para isso, é possível contar com a ajuda de medicamentos (sempre com prescrição médica) e psicoterapia.

 

Leia também o artigo: Depressão: você sabe o que é?